Orpheus, de Franz Stuck

domingo, 17 de julho de 2016

ALCÁCER-QUIBIR

Quando penso que então
Chegou o tão prolongado fim
Da batalha do meu coração,
Eis que o areal surge de novo, engole-me,
Sinto as flechas em meu dorso, dor profunda e escuridão.


E não há ninguém que possa dizer
Que está morto D. Sebastião.
A dor de vê-lo partir se repete, a mesma mágoa,
O mesmo gosto na boca, o grito duma nação
Cujo pranto está fadado a se estender.


Mas é diante da morte
Que a verdade se revela,
Aquele que morre e este que espera
São senão a mesma pessoa,
Sou eu o Encoberto, rei sem cama, vela de má sorte.

C. Berndt

12/07/2016