Orpheus, de Franz Stuck

sábado, 18 de fevereiro de 2017

ao fim e ao cabo,
noites que pareciam ter passado
retornam,
com seu mel e todo seu fel


Saturno brilha no céu a me dizer
que o tempo é irrecuperável

não há nada para se buscar no passado
e o futuro, escuso e distante,
é sufocado por um presente quieto
e cheio de chá camomila

quando eu queria dançar sem medo
sob a chuva
ou me queimar no sol
só pra sentir o alívio de um banho frio.

C. Berndt
18/02/2017