Orpheus, de Franz Stuck

quarta-feira, 29 de abril de 2015

O UIVO DO LOBO

o uivo

de um lobo
um lobo uivando
perto de mim


o uuuivo
de lobo
uuuivaando

uuuuuuuuivo

o uivo de um lobo lobo
lobo uivo de
um lobo

um lobo uiva perto de mim

do vidro gelado da janela
onde vejo meu rosto assustado
vejo, ao longe, nas sombras
um lobo

um lobo uivando
um lobo que uiva para a noite
para mim

o uivo de um lobo sozinho
sem grupo
ou alcateia
um lobo medroso
cauteloso

uuuuuuuuivo
uuuuuuuuivo

o uivo
de um lobo

o lobo que sou eu
sibilino
perturbador
solitário
lobo mal
maligno
cruel
passional
que uiva
uuuuiva
pra se sentir acompanhado, menos abandonado

o lobo que uiva para a noite
a lua
as sombras
a luz que se esquiva

o lobo branco negro prateado ou cinzento
feroz
que sou eu

os meus olhos castanhos caninos
reflectidos
no vidro gelado da janela

o lobo
que sou

que somos

um dos outros
o lobo

o lobo que some
mata
foge
escapa
diz
ama

o lobo que uiva
chama

uiva
uivo
uivos
uuuivo....

C. Berndt

Nenhum comentário:

Postar um comentário