Orpheus, de Franz Stuck

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O Sublime em "Queer as folk"

video


Essa é uma das cenas mais belas e sublimes da série "Queer as folk". Admiro-me como não tenha postado nada a respeito aqui ainda. Acho uma cena verdadeiramente tocante, emocionante e intrigante. Ao mesmo tempo que nos revela um elemento "novo", que se trata do fato de dois gays dançarem juntos numa formatura escolar, a cena faz uso de elementos muito tradicionais no cinema e em artes visuais. Primeiro, pelos trajes de gala e também a música. A música é muito romântica, qualquer um que tenha uma bola vermelha a bater no peito se emociona ou pelo menos, acha bonito. Eu acho perfeito! Acho perfeito quando Brian Kinney entra em cena, com seu lenço de seda branco. Este "lenço" possui um significado subjetivo, que poucos se colocam a pensar quando assistem a cena. Na verdade, para compreender realmente a profundidade desta cena, exige-se conhecimento sobre a série e seus personagens. Mas, como dizia, o lenço possui um caráter subjetivo. Sabemos que Brian Kinney é uma pessoa que tenta se mostrar frio, calculista e egoísta... Mesmo não sendo assim, esta é uma forma que Brian tem de "auto-defesa".Todos sabem o que ele diz sobre o amor e o quanto critica os gays que querem viver como casais héteros, ou seja, aqueles que querem morar juntos, dividir uma vida e construir uma família. Para Mr. Kinney, tudo isso se trata de bobagem! Mas, não é surpresa que Brian tenha se apaixonado pelo petulante Justin e que apesar de não admitir, ele tenha se enchido de romantismo. O lenço branco, então, é uma forma de demonstrar essa sensibilidade que começara a brotar no coração de Brian Kinney, uma idéia poeticamente perfeita e que alcançou seu objetivo.É realmente sublime ver os dois dançarem, é realmente encantador notar o clima que há entre eles, mesmo estando diante de tantos olhares "homofóbicos". Mas o foco, nesta cena, também é a raiva e o ódio de Chris Hobbs, colega de Justin, que o discrimina. Após a dança, Brian e Justin seguem para garagem e se despedem. Justin é atacado pelo colega e é acertado com um taco de basebol na cabeça. É aí que vemos o desespero de Brian, que não conseguiu salvar Justin. É neste momento que é provado o amor que Brian sente por Justin.Não deixem de assistir a série. Não há como não se apaixonar por "Queer as folk". Encontrei na internet, um artigo que fala a respeito desta cena, chama-se: "Imagem e Sublime: um estudo de caso. Análise da série televisiva Os Assumidos."

O artigo pode ser encontrado em:



Lembrando que no Brasil a série "Queer as folk" recebeu o nome de "Os Assumidos". Eu, particularmente, prefiro o nome original e recomendo que assistam a série original, com legendas. 

Boa leitura e não deixem de assistir a série!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Segundo J.K. Rowling, Dumbledore é gay!



     
     Então está explicado: Albus Dumbledore, um dos melhores personagens da saga de Harry Potter, usava roupas impecáveis, coloridas e brilhantes, tinha uma certa preferência por "entradas" e "retiradas" nada discretas e especialmente um histórico de "solterice" eterna! 


     JK Rowling criadora da saga de Harry Potter e de Dumbledore revelou, há algumas semanas, em uma leitura pública de sua obra no Carnegie Hall em Nova York, lotada de fãs, que o diretor de Hogwarts é gay.  "Sempre vi Dumbledore como gay", disse Joane em resposta a uma pergunta feita sobre a vida amorosa do bruxo, acrescentando: "Ele se apaixonou por Grindelwald. Não se esqueçam que a paixão deixa qualquer um cego. Ele ficou muito atraído por sua personalidade brilhante e essa foi sua tragédia." JK  Rowling disse que precisou revelar este detalhe também ao diretor David Yates, quando soube que haviam incluído, em uma das cenas do sexto filme, detalhes sobre um antigo amor do velho diretor. A revelação da sexualidade de Dumbledore, para alguns analistas, pode ser a "deixa" para uma aguardada possível continuação da obra da escritora ainda dentro do mundo mágico de Harry Potter, mas agora voltada para um público adulto.

domingo, 5 de dezembro de 2010

"Watercolors" - filme com temática gay












Se há algo que contribui para nos sentirmos mais felizes, mais plenos, mais humanos é sem dúvida a arte.... A boa literatura ( não o que seja bom para os outros e sim, o que seja bom pra você), uma música que nos toque o coração, um filme que nos deixe emocionados e que nos faça arrepiar a alma.... "Watercolors" é sem dúvida um desses filmes. O assisti há alguns dias e confesso que fui tocado por emoções muito distintas, que tocaram meu espírito e me encheram de ternura.
A história de Danny e Carter é simples e singela, sem grandes novidades.... Uma história de um amor adolescente, ingénuo, que nasce em corações receosos e jovens. Não há c0mo não cativar-se pela doçura do jovem pintor, Danny, que aos poucos conquista o coração do nadador Carter. São histórias como essas que me fazem ter fé no ser humano, por mais que a razão tente me convencer do contrário. Uma das cenas mais surpreendentes é sem dúvida a conversa de Danny e sua mãe. quando ele a conta sobre sua homossexualida.... Esta cena é recheada com sentimentos que vão do pranto aos risos.... Emocionante! E assim é "Watercolors, como nos sugere o nome, "uma aquarela de sentimentos que deve ser saboreada com as mãos a apertarem-se e o saco de lenços sobre o colo...

Amei ''Do começo ao fim''



“Perdoa-me, Cordélia, mas a não ser tu, minha irmã e tão bela, não tive um nítido e premente desejo por mulher alguma. Mas sempre gosto de ser chupado. Então às vezes seduzo algumas de beiçolinha revirada. Mas o falo na rosa, nas mulheres, só ‘in extremis’. Há em todas as mulheres um langor, um largar-se que me desestimula. Gosto de corpos duros, esguios, de nádegas iguais àqueles gomos ainda verdes, grudados tenazmente à sua envoltura. Gosto de cu de homem, cus viris, uns pêlos negros ou aloirados à volta, um contrair-se, um fechar-se cheio de opinião. E as mulheres com seus gemidos e suas falações e grandes cus vermelhuscos não me atraem. Bunda de mulher deve dar bons bifes no caso de desastre na neve. Lestes sobre os tais que comeram os amiguinhos e amiguinhas congelados? Voltando à nadegas. As tuas. Douradas e frescas. Tu foste única. Tuas nádegas também. Firmes, altas, perfeitas como as de um rapaz. ”
(Trecho do livro "Cartas de um sedutor" de Hilda Hilst)

Este trecho do fabuloso livro "Cartas de um sedutor" de Hilda Hilst é lido pela personagem Francisco, no filme "Do começo ao fim". Este filme é simplesmente lindo e perfeito, repleto de momentos sensíveis e poéticos, emocionei-me "do começo ao fim''. Impossível não se encantar com a história de Tomás e Francisco. E o mais impressionante é o fato de que narrativa do filme é feita de uma forma distinta e especial, o foco não recai sobre o "incesto", ou sobre a relação homossexual que se estabelece, como pensamos de início. O foco narrativo deste filme é o amor. Aluizio Abranches, o diretor,  acertou no modo como conduziu essa bela história. Filmes como este são o sinal de que muitos preconceitos e tabus estão a ser repensados e senão totalmente quebrados, pelo menos há quem os questione, quem os discuta, quem lance luzes sobre coisas que a sociedade acostumou-se a deixar por de baixo do tapete.