Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 30 de maio de 2011

" Me leve para sair esta noite... Porque quero ver gente... Eu quero ver luzes..."

     O título deste "post" é a tradução dos seguintes versos da canção "The is a light that never goes out", cantada pelos "The Smiths", uma famosa banda inglesa do início dos anos oitenta:

" (...)
Take me out tonight
Because I want to see people
And I want to see lights
(...) "




   
     Se repararem, ao longo do clipe, aparecem várias imagens de rapazes se beijando, ficando claro que a música trata-se de um homem cantando para outro homem. Adoreeiii! Deixo-vos curtindo "The Smiths" e esta música maravilhosa! 

Be my guest....








E você nem gosta de garotas!




Foi mesmo um choque,
foi mesmo difícil, sabe?
Foi mesmo como ter meu coração partido em muitos,
foi mesmo triste para mim.
Eu saí de casa, me vesti com a melhor "t-shirt",
usei meu melhor perfume,
eu realmente estava feliz, sabe?
E você nem notou em mim,
nem me olhou,
foi como se nem mesmo me conhecesse.
E o mais difícil foi te ver abraçado com alguém...
E o que mais doeu foi ver que era uma garota...
E eu sei que você nem gosta de garotas!
Eu até acreditaria, sabe?
Acreditaria se você nunca tivesse me beijado,
nunca tivesse me olhado daquele jeito,
nunca tivesse me tocado.
Eu até acreditaria, sabe?
Acreditaria se não te conhecesse...
Doeu, sabe?
Doeu ver você com ela.
Doeu ter que ver todos me olhando,
todos que sabiam de nós,
me perguntando se eu sabia o que você estava fazendo!?
Eu só pude fazer cara de paisagem,
como quem não visse e nem queria ver.
Todos me questionavam...
E eu apenas podia balançar a cabeça,
fingir sorrisos.
Foi mesmo triste.
Foi mesmo uma surpresa.
Pois eu sei que você nem gosta de garotas!
Você tentou,
tentou comportar-se como o "macho-alfa",
foi o cavalheiro de gelo,
com sorriso contido,
sem nem mesmo me olhar,
mas seus olhos escapavam,
e já tinham me dito,
que era a mim que amavam...
Sua boca não mentiu naquele dia,
era a mim que queria,
e aposto,
que se pudesse,
eu seria quem você abraçaria no lugar dela,
Eu sei que você nem gosta de garotas!

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Confissões.



Foi mesmo eu,
apenas a minha alma sonhadora,
minha mente degraçadamente fértil,
que sem pedir permissão,
já se coloca a construir castelos,
levantar céus,
onde o abismo universal seria o nosso teto,
e mesmo assim, onde pela eternidade, viveríamos de nós.
mas os castelos estão sempre na ponta de penhascos íngremes,
Mas o castelo sempre desmorana,
falece, desmonta, padece na escuridão da indiferença,
do nada.
Foi apenas,
Apenas eu,
 tornei aqueles minutos eternos,
e já depois tanto tempo,
de tanta solidão vivida,
ainda o vivo como se fosse vida.
Depois te tanto tempo,
minhas mãos ainda suam,
minha voz vacila e contemplo,
no meu tolo e impune amor,
a tua imagem,
doce, sensível, pedindo-me coisas,
pedindo-me abraços e proteção.
E eu, solitário saudoso,
recrio na pálida esperança do meu ser,
novamente,
nós dois.
Mas é quando a brutal indolente cruel realidade,
diz-me para regressar,
regressar para as sombras vazias sem você,
Ainda assim, resisto e voo ainda mais alto.
E embora,
seja eu o escravo da nostalgia,
ou ao menos,
aquele que se permite a ela,
sozinho,
eu sei e teus olhos também me disseram,
confessaram-me,
que quando vagueias nas profundezas do vales da alma,
quando se colocas só, com os ouvidos calados,
a olhar para o céu e para passado,
para aquele vestício quase morto de quê foi e não volta,
sou eu,
sou eu que tu vês diante de ti,
aquele que não negaria nem mesmo uma palavra,
que renunciaria dias e dias pela sua companhia,
sou eu, o homem que tu vês nos dias solitários,
é a mim que procuras na ausência insólita,
e ontem me disseste isso,
somente eu,
somente,
fui o escolhido dos teus olhos,
e dentre todos,
todos,
disseste,
sem querer dizer,
que é em mim que confias,
e eu,
contendo minhas lágrimas,
apenas te disse,
com os olhos,
que ainda estou lá,
te esperando,
na ponta do penhasco,
e mesmo que eu saiba que ainda não virás,
que resistes sem me dizer porque,
teus olhos,
meigos,
eles já me escolheram,
disseram-me que mesmo não vindo,
é na saudade que me encontram.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Como água.



Escorreu pela minha mão como água,
sem nem mesmo poder senti-lo,
sem poder dizer a última palavra,
sem poder tocar,
sem ter direito a resgate ou dia de graças.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Noite fresca.



É com a boca a recheada de sonhos,
que me deito hoje, nesta noite fresca,
com vontades que me salivam,
que querem saltar da ponta da língua,
fazendo dela trampolim,
nesta noite dos cataventos,
que sussurram palavras soltas,
onde os ouvidos,
na calma tenra e noite vazia,
parecem que adormeceram por um segundo,
calando o mundo barulhento de todos,
no instante calado do tempo,
um instante já,
que já se foi,
como verbo de raros,
inaudível corolário,
foi-se tão como veio,
vindo e indo,
como miragem dos cegos,
como fantasia dos famintos,
iludindo salivas,
fugindo dos ouvidos que ascendem novamente para altura da lua.

domingo, 22 de maio de 2011

A última oração.



Essa é última oração,
a última,
a última oração para salvar seu coração.
A última vez que rogo ao universo por nós dois.
A última oração lançada ao vento do acaso,
ou não.
A última oração que espera por sorte,
pela tua doçura,
pelo teu consentimento,
pela tua meiguice.
A última oração,
minha última prece,
aquela que espera que os teus olhos meigos,
meniniços,
corram para me dizer que o tempo que passou,
passou.
E que na pintura do futuro, seremos nós dois.
A última oração,
as últimas lágrimas,
as últimas esperanças.
A última vez que espero,
que lanço ao vento a minha mão,
tentando crer que ela não vai cair em vão,
pois esta é a última,
a última oração para salvar seu coração.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

No quintal



A ordem das árvores não altera o passarinho
Não altera o passarinho, a ordem das árvores
O passarinho altera a ordem das árvores
A ordem das árvores altera o passarinho
Ambos voam;
Com semente ou asa
No mundo ou em casa
...

Autora: Isabela Preto Junqueira.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Deixe-me ser o homem.


Deixe-me ser o homem,
o homem dos teus dias e noites.
Deixe-me ser o homem que vai secar as suas lágrimas,
apertar-te contra os braços e dizer que está tudo bem.
Deixe-me ser aquele que te mostrará o pôr-do-sol,
o homem que que lerá poesias para você,
e a cada sorriso seu te presenteará com um beijo.
Deixe-me ser o homem que te acolhe,
te ama e caminha junto a ti neste vale perdido nas sombras.
Deixe-me ser o homem,
Deixe-me ser seu,
Deixe e se permita,
Permita-se,
Abandone o seu altar de silêncio,
venha ser o meu homem e deixe-me ser o seu.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

"O Segredo é prender a respiração..."

Para descontrair....
Nanny people arrasou! Muito bom este vídeo....


Tudo vai ficar melhor....

    Tenho que confessar que as vezes fico muito triste. Triste porque parecem ser tantas coisas contra nós gays, lésbicas, transsexuais. Sempre surgem pessoas idiotas como bolsonaros para envenenar pessoas, corromper fatos, criar calúnias, contar mentiras, alimentar o ódio e a ignorância... Sem falar no papa que insiste em manter sua posição antagonica, homofóbica, preconceituosa e desumana. Sinceramente, não me importo com os bolsonaros, malafaias, com o papa, com as igrejas, com os evangélicos ignorantes e hipócritas.... Para mim são como corvos que vivem de comer carne podre e querem compartilhar sua infelicidade com os outros que não são como eles. Esses corvos infelizes não me afetam mais. Mas o que me torna triste é pensar nos milhões de jovens gays que não pensam assim... Jovens que tem as autoestimas abaladas, que passam a se sentir inferiores, passam a pensar em suicídios, por exemplo... Isso me deixa muito triste. Penso nos gays e lésbicas que moram na Uganda, no Irã e nos demais países islâmicos, onde a crueldade e a ignorancia suprema fazem a sociedade ver a homossexualidade como crime pagável com a morte. 
    As vezes paro para pensar e vejo o quanto nossa sociedade ocidental retrocedeu... Os gregos, os romanos viam a homossexualidade como algo completamente natural... Os próprios reis possuíam suas mulheres e homens de companhia... Platão nos fala várias vezes do amor que um homem sente pelo outro... Tudo me parece absurdo quando vejo o cristianismo condenar as pessoas por coisas que elas não escolhem... Alguma vez alguém escolheu ser heterossexual? Não. O mesmo se dá com os homossexuais. O papa, os malafaias e bolsonaros sabem muito bem disso, mas como corvos que são, querem sempre ver o mundo coberto de névoa, tempestuoso e sem luz. 
    Felizmente, aos poucos, as coisas parecem melhorar para nós gays, lésbicas, bissexuais, transsexuais, travestis... No Brasil, aprovou-se a tal união estável. Para mim é pouco. Continuo a ser fã da Argentina, que deu direitos plenos aos casais homossexuais. Mas quero acreditar que o Brasil e o mundo estão mudando... Quero acreditar que o respeito aumenta cada vez mais e a esperança para as futuras gerações será maior. Espero que nossos filhos vejam o mundo com olhos mais fraternos e tenham a chance de vivenciarem tempos de mais igualdade e amor. 
     Só gostaria de dizer para todos aqueles que se deixam entristecer com o preconceito sem tamanho e que tudo melhora com o tempo... Aos meninos e meninas gays, digo-vos que tudo melhora, tudo muda e com o tempo, tudo torna-se mais feliz e bom. Mesmo que a sociedade pareça não vos aceitar, não acreditem nisso. Ainda existem pessoas honestas. Com o tempo, verão que farão amizades, conhecerão pessoas incríveis e viverão momentos felizes... Apenas não se desesperem. Não deixem que o seu coração seja afetado pelas metiras contadas por essa gente sem coração. Apenas prossigam e acreditem. 

Assistam o vídeo a baixo. É simplesmente comovente. As palavras deste rapaz, um vereador americano, são realmente inspiradoras e emocionantes.Foi vendo este vídeo que me inspirei a escrever este post. 

Abraços.



terça-feira, 17 de maio de 2011

A deriva.




Só queria poder acordar e ter menos espaço na cama.
Queria acordar,
estender meu braço e abraçar um corpo amigo que,
adormecido ainda,
desfrutasse do meu calor.
Acordar e ser recebido, antes de ver a luz do dia,
por muitos beijos.
E que ao acordar, ainda, tivesse para quem ligar durante o dia,
com a simples deculpa,
"precisava ouvir a sua voz".
Coisas tão mínimas e singelas,
que hoje,
fazem imensa falta para um coração,
que na escuridão cavernosa da noite,
lastima, por ter sido colocado a deriva,
a deriva dos olhos do amor.

sábado, 14 de maio de 2011

Reconciliação







Chamam-te de aurora da beleza,
aquela que nasceu das espumas do mar,
nasceu cantando, tornando tudo mais suave.
Chamam-te de deusa, a dona do Amor.
Afrodita dos corações palpitantes,
suplicantes,
corações entregues, amados,
divididos, extasiados.
Afrodita dos apaixonados,
e também dos tristes de amor.
Te trago aqui nestes versos,
te canto nas minhas palavras,
não para falar da tua beleza,
que é inegável.
Trago-te, clamo pela tua atenção,
pedindo que não me negue os ouvidos,
que deixes cair um de teus braços sobre minha cabeça,
e que lácios de amor nasçam no meu peito.
Desejo,
sinceramente,
reerguer-me em paz,
nascendo das espumas do nada,
das cinzas ainda não apagadas,
com doçura,
candura,
sem receios.
Desejo a tua reconciliação.
Desejo apenas sentir a tua amena chama
penetrando o meu ser,
reavivando a luz que hoje vejo ofuscada,
desejo encontrar-te logo,
encontrar-te na face de um anjo,
nos braços esguios de um homem,
um anjo,
que sorridentemente,
 me diga,
Eu te amo.

Naufrágio.


Me sinto envolto em um turbilhão de ondas,
gritando,
minhas lágrimas não significam nada no meio deste oceano,
os deuses me ignoram.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Ta Main ( Sua Mão) - Grégoire

     






    Esta é uma canção do cantor francês Grégoire. Acho uma das canções mais lindas do cantor, C'est fantastique!





Ta Main


Tu sais que j'ai du mal,
Encore à parler de toi,
Il parait que c'est normal,
Il n'y a pas de règles dans ces jeux là.

Tu sais j'ai la voix qui se serre,
Quand je te croise dans les photos,
Tu sais j'ai le cœur qui se perd,
Je crois qu'il te pense un peu trop.

C'est comme ça,
C'est comme ça.

J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé que mon chagrin,
Ne dure qu'un instant.
Et tu sais j'espère au moins,
Que tu m'entends.

C'est dur de briser le silence,
Même dans les cris, même dans la fête,
C'est dur de combattre l'absence,
Car cette conne n'en fait qu'à sa tête.

Et personne ne peut comprendre,
On a chacun sa propre histoire.
On m'a dit qu'il fallait attendre,
Que la peine devienne dérisoire.

C'est comme ça,
C'est comme ça.

J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé que mon chagrin,
Ne dure qu'un instant.
Et tu sais j'espère au moins,
Que tu m'entends.

Je voulais te dire que j'étais fier,
D'avoir été au moins un jour,
Un peu ton ami et ton frère,
Même si la vie a ses détours.

C'est comme ça,
C'est comme ça.

J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé tenir ta main,
Un peu plus longtemps…
J'aurais aimé que mon chagrin,
Ne dure qu'un instant.
Et tu sais j'espère au moins

Que tu m'attends.




Tradução em potuguês: 


Sua Mão
Você sabe que eu tenho dificuldade
ainda de falar de você
parece que é normal
Não existem regras neste jogo

Você sabe que minha voz aperta
Quando eu te vejo nas fotos
Você sabe que tenho o coração que se perde
Eu acho que ele pensa demais em você

É assim
É assim

Eu teria gostado de segurar sua mão
um pouco mais
Eu teria gostado de segurar sua mão
Um pouco mais
Eu teria gostado que minha tristeza
Durasse apenas um instante
E você sabe, eu espero ao menos
Que você me ouça

É dificil quebrar o silêncio
Mesmo aos gritos, mesmo em meio à festa
É dificil lutar contra a ausência
Porque isso continua na sua cabeça

E ninguém pode entender
Cada um tem sua própria história
Me disseram que era preciso esperar
Que a dor se torne ridícula

É assim
É assim

Eu teria gostado de segurar sua mão
um pouco mais
Eu teria gostado de segurar sua mão
Um pouco mais
Eu teria gostado que minha tristeza
Durasse apenas um instante
E você sabe, eu espero ao menos
Que você me ouça

Eu queria te dizer que eu era orgulhoso
De ter sido pelo menos um dia
um pouco seu amigo e seu irmão
Mesmo se a vida tem seus desvios

É assim
É assim

Eu teria gostado de segurar sua mão
um pouco mais
Eu teria gostado de segurar sua mão
Um pouco mais
Eu teria gostado que minha tristeza
Durasse apenas um instante
E você sabe, eu espero ao menos
Que você me espere.


sexta-feira, 6 de maio de 2011

Aqueles dias.





Há dias, aqueles,
em que me surpreendo lembrando,
lembrando dos prados pelos quais corríamos soltos,
Há dias
em que uma melancolia aprisiona-me num casulo de saudade,
e nestas horas, minhas lágrimas caem e meus olhos tornam-se monção.
Há dias, aqueles, que ainda posso sentir o frescor da tua pele,
os gosto dos teus beijos, teus cabelos a baterem nos meus,
nossos olhos a refletirem nossa cumplicadade.
Há dias que me sinto o homem mais desgraçado,
o mais pobre de todos espíritos, o mais desgarrado, desolado,
sozinho.
Há dias, aqueles, em que me basta fechar os olhos e pensar que tu existe,
já estou sorrindo novamente.
Há dias e dias, aqueles, outros e tantos.
És o cavalheiro do prado, que me puxa pela mão e me consola em teu colo,
o homem, o garoto, que simplesmente não tarda, mas não fica.
Tempos idos, muito tempo.
Não somos os mesmos.
Mas, há dias, aqueles em que te vejo a espreitar-me de longe,
que a minha e a tua melancolia tem seus olhos poupados,
secados, pois é quando a tua manhã vem de encontro com o meu entardecer.

STF aprova União Estável entre pessoas do mesmo sexo no Brasil.

   



      Finalmente, hoje em 05 de maio de 2011, o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado no Brasil. Os casais homossexuais  passam a ter direitos como dividir plano de saúde, dividir bens e receber pensões. Ainda se tem muito por fazer e lutar pela igualdade, mas o ministros do Supremo Tribunal Brasileiro mostraram que o Brasil é um país laico e que pretendo cumprir sua constituição. Hoje foi um dia de vitória na luta pelo preconceito e homofobia. Como gritavam muitos no twitter:

chuuuuuuuuuuuuuuuuuuuupem agora, religiosos fundamentalistas e homofóbicos! 

Seguem os links das notícias, no G1 e no Estadão:




Parabéns aos brasileiros! É com extrema felicidade que hoje deito no meu travesseio, já posso ver a bandeira que assume todas as cores balançar com mais força no nosso Brasil. 


quinta-feira, 5 de maio de 2011

Bailarino.



Não me cobrem a clareza dos imaculados,
Não me cobrem a prática dos físicos,
Não me cobrem a ciência dos astrônomos,
Não me cobrem a certeza dos hipócritas.

Cobrem-me os mistérios dos mágicos,
Cobrem-me o lúdico da dança e da música,
Cobrem-me o esoterismo dos astrólogos, dos ciganos,
Cobrem-me a distração do bailarino...

A distração do bailarino,
do bailarino,
do bailarino,
que dança,
dança,
dança para encantar,
sorrir,
chorar,
dança pela dança,
dança para esquecer,
Não me cobrem memórias.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O meteoro.



Ando apenas olhando para o céu,
buscando o que todos duvidam.
Esperando que aquele meteoro incandescente
transpasse o céu azul novamente e
tome o meu peito.

Só para você sentir o meu amor.





Eu jamais te machucaria,
iria te fazer sentir-se apenas leve,
sorrindo,
Iria me perder para te encontrar,
Só para você sentir o meu amor.

domingo, 1 de maio de 2011

Vereador fala emocionado sobre bulling homofóbica.





É com a face ainda molhada de lágrimas que escrevo este post. Acabei de ver um vídeo no "youtube" que me deixou extremamente emocionado.
Trata-se do discurso do vereador Joel Burns na câmara de Forth Worth, Texas, sobre a recente onda de suicídios de jovens gays.


Este é o link do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=lzPrjoAHndM&feature=player_embedded

Simplesmente sem palavras. Uma linda atitude a deste vereador, Joel Burns.

"He went to that place where dreams are born."






"So David went to sleep too. And for the first time in his life, he went to that place where dreams are born."

Tradução em português: "Então, David adormeceu também. E, pela primeira vez em sua vida, ele foi para aquele lugar onde os sonhos nascem."


     "A.I. Artificial Intelligence" é o nome do filme do qual foi extraída esta frase. É um filme estadunidense, uma das grandes produções de Hollywood. Um grande sucesso dirigido por Steven Spielberg e lançado em 2001. O roteiro do filme é baseado em um conto de um escritor inglês de ficção científica, Brian Aldiss. 
     Eu gosto desse filme particularmente porque não é simplesmente um filme futurista que trata sobre a crianção de máquinas inteligentes, mas que também evidencia uma forte relação do ser humano com as fábulas, com a literatura, discutindo como estas podem ser ricas e mágicas para nós, humanos, e no caso do filme, para o robozinho David. É lindo ver  os olhos azuis de David (Haley Joel Osment) brilharem ao ouvir a história de Pinócchio! A sua busca dele fada azul com o objetivo de tornar-se um "menino de verdade" é fascinante e extremamente triste. Mas é uma tristeza mágica, poética, trágica- como as tragédias gregas! Enfim, o filme é incrível, faltam-me adjetivos. Um robô criado para amar, amar tanto ou mais que um humano.... Um amor que ultrapassa nossas noções de lealdade, sinceridade, fidelidade. 
      E a última cena do filme é para arrebentar os vasos lacrimais de chorões como eu. David está deitado ao lado de Mônica, sua mãe, "and for the first time in his life, he went to that place where dreams are born."