Orpheus, de Franz Stuck

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vaivém

Nem choro,
nem canto.
Só um ir
e um vir,
incessante,
indiferente.
Onda vai,
onda vem.
Como se a mágoa
e a alegria do mundo
se tivessem apagado.

- Luísa Dacosta em ''A maresia e o sargaço dos dias''.

Nenhum comentário:

Postar um comentário