Orpheus, de Franz Stuck

sexta-feira, 21 de março de 2014

Morfeu.

vem, Morfeu,
deita sobre o corpo meu
deixa-me sentir o teu peso
teus braços quentes
teu hálito de flor anestésico.

vem,
penetra-me,
penetra-me com força
e sem pena
com teu falo mágico
para que eu possa gemer
descontraindo vértebras
e mágoas

põe-me a dormir, Morfeu,
transforma-me nisso,
no que tu és:
esquecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário