Orpheus, de Franz Stuck

sábado, 11 de outubro de 2014

fim de tarde,

o sol como um menino tímido
de cabelo amarelo
escondido atrás do Cambirela,


rua escura e vazia,
lajotas tortas,
caminho feito de pedras e de um perpétuo ontem,

uma garça que voa pr'a não sei onde,
as suas penas brancas
foram a única bandeira de paz
que vi neste dia
de pouco sorriso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário