Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 6 de julho de 2015

e na brancura seca desta rua
desta névoa sufocante que sou eu
respirar


respirar


respirar


respir...ar


ar
que me falta
ar que não sou

Nenhum comentário:

Postar um comentário