Orpheus, de Franz Stuck

sábado, 26 de setembro de 2015

O poeta é (está) só.
Esse é o seu segredo, o seu fado, a sua vida, a sua morte.
Ser só, num mundo em que todos andam juntos e não estão em lado algum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário