Orpheus, de Franz Stuck

quarta-feira, 21 de março de 2012

21 de março.

À Poesia e às Árvores.
Ambas alçam-se para o céu.
A árvore de braços abertos esperançosos boceja nuvens limpas.
A Poesia cai pesada como nuvem preta de chuva.

Filhas da Esperança.
Uma quer respirar - verde e para cima.
A outra, só suspira - de dentro para não sei onde.

Há muitas árvores no caminho - por onde passamos.
Há versos caídos no passeio, maduros e roxos.

Da vida, passam-se pelas árvores e pelos versos
- fica o sopro. Poético. Do vento.



Nenhum comentário:

Postar um comentário