Orpheus, de Franz Stuck

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Céu sem estrelas.

Sozinho, na noite.
Olhando para onde ninguém olha.
Sendo o distante, o obscuro,
o astrólogo de um céu sem estrelas.
Nada. Nada. Não há nada e ninguém.
Somente um rosto pálido,
iluminado por uma luz abstrata,
fantástica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário