Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Tesoura.

Há pranto preso na minha garganta.
Estás agora tão distante.
Pra quem eu vou correr e pedir colo?
Quem eu abraço agora que me sinto tão sozinho?
Quem vai me abraçar, afagar meus cabelos,
secar meu rosto
e dizer que 'tudo vai ficar bem', quem?
Quem?
Tenho medo de esquecer o teu cheiro,
cruel é a tesoura do destino,
que corta,
corta tudo,todos,
coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário