Orpheus, de Franz Stuck

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011



Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim,
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho,
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim.


Sophia de Melo Breyner Andresen.

Nenhum comentário:

Postar um comentário