Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 6 de maio de 2013

querida menina da lua,

não pense você que eu lhe esqueci.
Não, meu bem.
Vivo eu tresloucado
a correr os dias
e só tenho tempo de parar
para o cafezinho da tarde
e escrever os meus versos atropelados.

Há-de chegar, sim, o dia
em que poderemos
nos  perder nas tardes calmas
de um verão qualquer,
tomando chá,
falando de coisas banais
e do sorriso dos anjos!

Um comentário: