Orpheus, de Franz Stuck

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Os lírios brancos.

Os lírios brancos que vês nos campos,
Nos prados amarelados do Alentejo,
Onde vais aliviar teu espírito desenfreado,
Sou eu, o meu corpo,
A delicadeza que sou, a paz que vislumbro,
O amor que sinto por ti,
A morte que não é nada senão brisa que transpassa
E nos separa momentaneamente.








Nenhum comentário:

Postar um comentário