Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Outra das minhas traduções:

Deito a cabeça
para fora da janela, e percebo
o quanto deseja cortá-la
a lâmina fria do vento.

Nesta guilhotina
invisível, eu pus
a cabeça sem olhos
de todos os meus desejos.

E um odor de limão
preencheu o instante imenso,
como se o vento
estivesse a se converter em flor de seda.

(Federico García Lorca)

Nenhum comentário:

Postar um comentário