Orpheus, de Franz Stuck

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Gelado de Verão - Humanos


     Uma pessoa muito especial mostrou-me esta canção há poucos dias. Gostei muito, achei a letra simples, singela e ao mesmo tempo muito rica e cheia de metáforas que me surpreenderam e me encantaram. Sendo assim, divido com vocês a canção que fez parte do projeto "Humanos" que em 2004 reuniu vários cantores portugueses a fim de interpretar canções do cantor já falecido António Variações. Simplesmente amei.
Nota: "gelado" é como os portugueses chamam o que nós, brasileiros, chamamos de sorvete





Letra:

Foste a razão da viagem de umas férias para fugir
Foste a razão da viagem de umas férias para fugir

Encontrei-te na paragem, no descer e no subir
Dei o teu nome a toda a gente e a todos te quis chamar
Dei o teu nome a toda a gente e a todos te quis chamar

Dei a tua voz ao vento e ao movimento do teu andar
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Pintei a boca de rosa e verde

Foste o gelado do meu verão
Foste a sombra do momento, tentação a experimentar
Foste a sombra do momento, tentação a experimentar

Foste a luz do salvamento do regresso ao meu olhar
Tu foste em todas as formas um país que eu nunca vi
Tu foste em todas as formas um país que eu nunca vi

Velho sonho dos meus olhos e eu só te vi a ti
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Pintei a boca de rosa e verde

Foste o gelado do meu verão
Teu corpo minha toalha, foste o Sol da minha cor
Teu corpo minha toalha, foste o Sol da minha cor

Foste o mar da minha praia, tu foste o meu bronzeador
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Foste a frescura da minha sede
Andei contigo na minha mão
Pintei a boca de rosa e verde

Foste o gelado do meu verão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário