Orpheus, de Franz Stuck

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Pétalas roxas.

Perco a conta
de quantas vezes paro,
tiro os olhos do livro,
e lembro de ti. 

Meu coração ainda 
não se cansou de ser triste
e quer sempre 
   mais uma lágrima 
   com gosto de lembrança.

Diz-me algo, amor.
Manda-me um recado,
sete letras apenas,
pétalas roxas,
diz-me Saudade.

2 comentários:

  1. Fantásticos, Charlito, seus escritos! Quanta sensibilidade, emoção, beleza e até pureza nas suas palavras, pareço entender perfeitamente o seu sentimento sem acessá-lo. Essa é a beleza da literatura: ler-me totalmente em suas palavras. Essa é a beleza da sua literatura.

    ResponderExcluir
  2. Flávio, agradeço pelas suas palavras! Concordo contigo quando falas desta 'beleza da Literatura': ''ler-me totalmente em suas palavras''. É realmente fantástico quando lemos algo e aquilo nos parece cair como uma luva, parece ter sido escrito para nós. Se eu escrevo é porque, de alguma forma, isso acontece comigo quando leio outras coisas também....
    Obrigado, Flavinho.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir