Orpheus, de Franz Stuck

terça-feira, 15 de maio de 2012

Andorinhas.

O sono não me quis nesta noite,
e cansado de conversar sozinho
                 com meu travesseiro,
De criar e encher o futuro
                com balões,

pulei da cama,
E sem dar muito por mim,
ainda com os cabelos bagunçados,
sem muito escolher entre os cabides
 -  uma camiseta e um jeans  -

Saí,
ganhei as calçadas,
fui ouvir as andorinhas.

As andorinhas me querem,
e cantam para mim
   os sonhos que não tive à noite,
que me vêm
esvoaçantes
com as correntes de ar,
enchem meus olhos de luzinhas,

até dá vontade de gritar Esperança


Nenhum comentário:

Postar um comentário