Orpheus, de Franz Stuck

domingo, 5 de junho de 2011

Brasas.




Em estado anestésico,
como quem acorda do coma,
nascendo novamente,
resurgindo das cinzas,
ainda sinto as brasas
queimando em baixo dos meus pés,
mas a chuva quer vencê -las,
pouco a pouco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário