Orpheus, de Franz Stuck

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Como água.



Escorreu pela minha mão como água,
sem nem mesmo poder senti-lo,
sem poder dizer a última palavra,
sem poder tocar,
sem ter direito a resgate ou dia de graças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário